Rubin Steiner vs. Tortoise

Rubin Steiner

Dois artistas incomuns passaram por São Paulo na mesma noite, dividindo atenções de curiosos e fãs, pessoas que enxergam o universo da música muito além de um simples refrão ou capas de revistas.

Na semana passada, a FNAC Pinheiros trouxe para um DJ set o francês Rubin Steiner, que foi uma das atrações do festival No Ar 2006, que aconteceu dias antes em Recife.

Lançando seu álbum "Drum Major", o músico fez uma apresentação recheada de esquisitices sonoras, Flaming Lips e batidas dançantes. Durante aproximadamente 30 minutos, Fred Landier (líder do Rubin Steiner), vestindo uma camiseta dos Beach Boys, usou seu laptop e suas pick-ups para entreter o pequeno público paulista, que na falta de uma apresentação completa, contentou-se com esse pequeno set, na platéia além de fãs, Nego Moçambique também assistia ao francês, que dançando bem menos que ele, fez de seu set pura diversão sonora.

Rubin Steiner

Para um músico que mistura punk, hip hop, música latina, entre outras coisas, uma discotecagem dessas apenas confirma as excelentes influências do músico, que coloca na mesma prateleira Sonic Youth, Prince Paul (que já trabalhou com De La Soul e Public Enemy), Tropicália e o novo Jazz, tudo isso e um pouco mais a serviço do ouvinte.

Além dessas recentes apresentações, a banda retorna ao país em novembro, dentro da programação do Londrina Jazz Festival, imperdível!

Não muito distante, ou melhor, bem distante dali, no teatro do Sesc Santana, com lotação esgotada, os americanos do Tortoise iniciavam sua mini-turnê paulista.

Tortoise

O show do Tortoise é algo monstruoso, mesmo para quem não é músico, fica impossível não sentir admiração pela fluência dos sons, que com o auxílio de projeções ao fundo do palco, deixaram o público extasiado pelas proporções sonoras da banda.

Liderados por John McEntire, que em sua última passagem solo pelo país, no festival Solitude, deixou algumas pessoas irritadas, devido a sua má educação, o Tortoise conta ainda com John Herdon, Jeff Parker, Doug McCombs e Dan Bitney, que dividem instrumentos como baterias, vibrafones, guitarras, etc.

Tortoise

McEntire age no palco como um maestro, circula, troca de instrumentos, mas é o conjunto de músicos que dão ao Tortoise toda essa magnitude, no confronto de baterias, nos timbres das guitarras, na sonoridade que vai do post-rock ao quase samba, o Tortoise presenteia seus fãs com clássicos de todas as fases, músicas dos álbuns "Standards" (2001) e "It's All Around You" (2004), formam a base do set list, que não dispensa "The Taut And The Tame" do fantástico "Millions Now Living Will Never Die" (1996) ou mesmo "Tin Cans & Twine", do primeiro álbum "Tortoise" (1994), e se a abertura com "Seneca" era o começo de uma histórica apresentação, o final com um duplo bis serviu para muita gente voltar para casa com os ouvidos zunindo de alegria.

Depois dos shows em São Paulo, a banda retornou para os Estados Unidos, onde fará alguns shows neste mês, incluindo sua cidade natal, a sonora Chicago.

Sites oficiais:
www.rubinsteiner.com
www.trts.com

Tortoise

Tortoise

Tortoise

 

ter, 05/09/2006